quinta-feira, 29 de setembro de 2005

Rua de Santiago

4 comentários:

Anónimo disse...

MONSARAZ

Sentinela vigilante
Que é feita de pedra dura
Tão imponente gigante
Que eu olho com ternura

Monsaraz lá bem no pino,
Dum outeiro solitário,
Tem à porta um campanário
Ostentando o seu sino.
Tem um encanto divino,
Divino e fascinante,
E leva o visitante
Em sonhos a reviver,
O tempo em que tinha de ser
Sentinela vigilante.

Monsaraz é o passado,
Uma amostra doutra era,
Que o tempo não altera
O tempo aqui está parado...
E mantém inalterado,
O conjunto da estrutura,
Nessa essência pura
Que engrandece a beleza,
De tão nobre fortaleza
Que é feita de pedra dura.

O encanto que a pedra tem...
Eu nunca vi nada disto:
Calçadas feitas com xisto
E as muralhas também.
Certamente que ninguém,
Te vê que se não encante,
Mas descrever-te só Dante
O poderia fazer...
Eu estou fascinado a ver
Tão imponente gigante.

Respeitosamente aqui,
Quero prestar homenagem,
Aos que outrora com coragem
Deram a vida por ti.
À tua torre eu subi...
Será efeito da altura?
Até se me afigura
Que me contam segredinhos,
Estes muros tão velhinhos
Que eu olho com ternura.

Autor: Jerónimo Major - Terena

António Caeiro disse...

Muito obrigado pelo poema que não posso deixar de partilhar com todos os visitantes deste blog. Como tal vou fazer um post com ele.

ernesto esteves disse...

Isso António! Mostre-nos os recantos dessa povoação.
Bom equadramento...

Major disse...

Meu caro António não tem que agradecer. Quem agradece sou eu, é sempre agradável ver as nossas poesias publicadas. É para que alguém as leia que as escrevo e sinto-me feliz quando sinto que sou bem acolhido... como é o caso.
Sou um aprendiz de blogs, quere espreitar?
http://boanova.blogs.sapo.pt/
http://quenteziboas.blogs.sapo.pt/